Para mim ir a qualquer loja, feira ou mercado que venda coisas para a horta é como deixar uma mulher numa grande superfície cheia de lojas de roupa, acabo sempre por comprar algo (mesmo que não precise de comprar nada). Comentários sexistas à parte, como o titulo indica fui à feira da Malveira, trouxe 90 pés de várias plantas e só gastei 10 euros (já ouvi isto em alguma lado…).

Ainda na feira, esta mudou de localização (para melhor, acho) e não sei se por ser feriado em Lisboa aquilo estava cheio como nunca tinha visto! De uma forma ou de outra, gostei de ver que este tipo de feiras/mercados vão-se mantendo.

Bom, esta visita traduziu-se em:

  • 4 pepinos
  • 4 beringelas
  • 6 tomate coração de boi
  • 15 alface lisa
  • 15 alface roxa
  • 12 couve roxa
  • 12 couve galega
  • 12 couve portuguesa
  • 10 feijão verde
  • várias abordagens de velhotas ao verem este menino carregado de sacos com plantas…pena os 50 anos que nos separam…

A caminho de casa passei ainda pela Agriloja e comprei 2 sacos de 50l de estrume (um de cavalo e outro de galinha).

Não contabilizando as horas dedicadas à horta e se todas estas plantas vingarem, os 10 euros investidos traduzir-se-ão em muitos euros poupados, isto se as toupeiras, ratos e passarada não me estragarem os planos. Por curiosidade, este ano estou a contabilizar todas as despesas com a horta e depois quando começar a colheita vou fazer o cálculo de quanto estou a poupar.

Como é óbvio isto tudo não se plantou sozinho, mas nada que não se tenha feito numa tarde de trabalho. O método usado foi o do costume, segue por ordem:

  1. Cavei fundo toda a terra a cultivar enterrando as ervas moídas pela máquina
  2. Nivelei a terra e desfiz os torrões
  3. Abri um sulco
  4. Espalhei estrume de galinha no fundo do sulco
  5. Coloquei cada uma das plantas em cima do estrume
  6. Tapei as raízes das plantas abrindo novo sulco
  7. Espalhei algum estrume de cavalo sobre o sulco plantado para ajudar a reter mais água junto à planta e compensar a terra – ao contrário do de galinha, este trazia muito húmus
  8. Repeti do passo 2 ao 7 até acabarem as plantas
  9. Reguei tudo!

Como podem ver, não é nada do outro mundo e evitei a palavra rego. Mesmo assim, duvido que tudo vingue porque no dia a seguir à plantação tinha a terra toda levantada pelas toupeiras – pelo menos um tomateiro e 2 ou 3 couves já estavam a murchar.

Felizmente para mim e infelizmente para quem está de férias, este tempo meio chuvoso veio dar jeito às plantações até que elas “peguem” bem à terra, sorry para quem queria ir torrar para a praia. Falando em pegar, tudo o que tinha plantado anteriormente e que sobreviveu à bicharada está verdinho e a dar flor – um minuto de silêncio por 3 melões, 3 meloas e 2 abóboras menina.

One Comment

  1. (minuto de silêncio escrupulosamente cumprido.)

    Linda hortinha! É um prazer ver os rebentos a brotar!
    Adoro saber que quando for velhinha posso ir sacar jovens agricultores da Feira da Malveira. Ou pelo menos lavo as vistas!
    Só mais uma coisa: rego, rego, rego e rego!

    Ana Afonso (Nana)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.